Seconci-SP: viver com lúpus e fibromialgia requer equilíbrio emocional

Manter o equilíbrio emocional é uma das medidas importantes para lidar com doenças crônicas que não têm cura e requerem tratamento especializado e prolongado, como lúpus e fibromialgia. É o que ressalta a reumatologista Edna Souza Silva, do Serviço Social da Construção do Estado de São  Paulo, (Seconci-SP), durante a Campanha Fevereiro Roxo, dedicada a conscientização sobre essas doenças e seus cuidados necessários.

A médica explica que o lúpus (Lúpus Eritematoso Sistêmico ou LES) é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, quando o próprio organismo ataca órgãos e tecidos. Seus principais sintomas são lesões de pele, dor, inchaço, inflamações nos olhos, rins ou no coração, eventualmente acompanhados de alterações de comportamento, fraqueza e emagrecimento.

“A doença pode se apresentar de diversas formas e variar entre simples, moderada e grave. Cada pessoa a manifesta de maneira diferente. Por isso, é fundamental consultar um reumatologista que, para fechar o diagnóstico, faz o exame de sangue FAN (Fator Antinuclear) e outro de marcador de anticorpos”, destaca a reumatologista.

Ela recomenda a esses pacientes que tratem as infecções e evitem o estresse, o sol e outras formas de radiação ultravioleta, o uso de estrógenos e de outras drogas, e, na fase ativa da doença, a gravidez.

A medicação é à base de corticoides e imunossupressores e o acompanhamento pelo reumatologista precisa ser permanente. Pesquisas estão sendo realizadas e futuramente haverá medicações específicas para a doença.

Dores crônicas

Já a fibromialgia, caracterizada por dores musculares crônicas em todo o corpo, por mais de seis meses, acometendo mais as mulheres. Outros sintomas são fadiga, sono não reparador, alterações de memória e de atenção, ansiedade, depressão e problemas intestinais. A doença pode ser primária (somente dor) ou secundária (associada a doenças reumáticas e inflamatórias, sono não reparador e sem melhora com medicação).

Seu diagnóstico é clínico e realizado por exclusão de outras patologias, mas precisa ser feito por um reumatologista, reforça a médica. Uma vez que o paciente venha a sofrer com a dor e a fadiga, levando-o à depressão, um bom tratamento requer também uma equipe multidisciplinar como o Seconci-SP oferece, com psiquiatra, psicólogo, nutricionista e fisioterapeuta.

Os sintomas podem ser amenizados com medicamentos, alimentação saudável e atividade física, liberando neurotransmissores para diminuir a dor. “É importante também o paciente pesquisar o que o está impedindo de ter um sono reparador (enfrentando problemas como ronco e apneia) e cuidar do equilíbrio emocional, respeitando seus limites e se organizando para conviver da melhor forma possível com a doença”.

 

The post Seconci-SP: viver com lúpus e fibromialgia requer equilíbrio emocional appeared first on CBIC – Câmara Brasileira da Industria da Construção.